Chilli com carne

Tomei um chá de sumiço, gente. Me desculpem. O inverno chegou soprando um vento que mudou um bocado de coisa de lugar; a principal delas sendo minha casa: estou morando em São Paulo pelos próximos três meses para trabalhar no Paladar, caderno de gastronomia do Estadão. Enquanto a ventania ia me levando, tentei puxar o blog pela mão, mas ele acabou ficando para trás. Só agora o tempo acalmou e conseguimos caminhar juntos de novo. 🙂

Estou escrevendo esse texto no domingo, no final da minha primeira semana em território paulista, pensando que a a gente só entende de verdade pra que serve a folga de sábado e domingo quando passou a semana inteira enlouquecida, sem tempo nem pra comprar frutas no mercado ou ligar pra sua mãe. E enquanto me cubro de luvas e cachecóis para enfrentar os 10°C que fazem lá fora, lembro também que só compreendi a real função de uma sopa quando passei o pior frio da minha vida, na Holanda, há uns bons anos.

Eu estava no maior jardim do mundo, o Keukenhof. Para conhecer lugar, com todas as suas tulipas, jacintos e narcisos, era preciso caminhar ao ar livre, encarando o dia congelante. No almoço do restaurante do parque, a única opção era um buffet de sopas – e sopas não balançam meu coração. Escolhi, ainda que meio contrariada, uma de chilli com carne. Logo na primeira colherada, aquele líquido quentinho foi como um longo abraço; desceu esquentando cada pedacinho do meu corpo. Devo ter repetido umas três vezes e a cada tigela percebia que, para gostar de sopa de verdade, bastava sentir o frio necessário.

***

chilli com carne-5 chilli com carne-4 chilli com carne-3

Chilli com carne

Na internet dá para achar milhares de receitas de chilli que dizem ser “autênticas”. Herança da cozinha tex-mex, esse prato tem muitas variações. Minha versão é mais simples – a lista de ingredientes é grande, mas todos são fáceis de achar. Dá também para incluir outros temperos e experimentar com tipos de pimentas diferentes. Além de ser comido como sopa, o chilli pode ser servido com arroz branco ou usado para rechear tacos e enchiladas.

Serve 4 pessoas

– 500 gramas de carne moída (usei patinho)
– 1 colher (sopa) de óleo ou azeite
– 1 cebola grande picadinha
– ½ pimentão vermelho ou amarelo picadinho (tire a semente e as partes brancas)
– 2 dentes de alho picadinhos
– 1 colher (chá) de chilli em pó ou 2 pimentas dedo-de-moça pequenas, sem sementes e picadinhas
– ½ colher (chá) de cominho em pó
– 1 colher (chá) de páprica doce ou defumada
– ¼ de colher (chá) de canela
– ¼ de colher (chá) de noz-moscada ralada
– 1 colher (sopa) de cacau em pó (não substitua por chocolate em pó, ok?)
– 2 xícaras de cerveja ou de caldo de carne (de preferência caseiro, mas se não conseguir, dilua ½  cubinho nessa quantidade de água quente)
– 1 lata de tomate pelado
– ¼ de colher (chá) de orégano seco
– 1 colher (sopa) de açúcar
– 2 xícaras de feijão cozido sem caldo (usei feijão vermelho apenas cozido, mas dá certo com feijão refogado também. Dependendo de quais temperos você usa no seu refogado, equilibre os temperos da receita)
– Sal à gosto (usei 2 colheres de chá)
– 1 colher (sopa) de suco de limão

Como fazer

1. Aqueça o azeite ou o óleo no fogo médio. Acrescente a cebola e refogue até ficar macia. Junte o pimentão e a pimenta-de-moça (se estiver usando) e continue mexendo até que o pimentão perca a cor. Junte o alho, o cominho, a páprica, a canela, a noz-moscada e o cacau e misture por cerca de um minuto. Se você for usar o chilli em pó, acrescente agora.

2. Aumente o fogo, junte a carne moída e mexa para quebrar os montinhos. Ela vai começar a soltar água e você tem que continuar mexendo até que a água seque e se forme uma camada dourada no fundo da panela – isso leva uns dez minutos.

3. Junte o caldo de carne (ou a cerveja) e os tomates pelados com o suco da lata. Adicione também o açúcar. Quando ferver, misture bem, junte o orégano, tampe e abaixe o fogo.

4. Deixe ferver por uns 30 minutos, mexendo de vez em quando. Adicione um pouco de água se estiver secando rápido demais. O molho deve ficar encorpado e suculento.

5. Acrescente o feijão e deixe ferver por mais uns 10 minutos. Ajuste a quantidade de caldo do chilli de acordo com a finalidade: se for comer como sopa, deixe mais líquido; para rechear tacos ou enchiladas, deixe secar mais.

6. Adicione o suco de limão e prove pra acertar o tempero. Tampe, desligue o forno e deixe descansar por uns 10 minutos antes de servir.

4 Resultados

  1. Cozinha Legal disse:

    Me vi na sua descrição. Imagina eu, cuiabana, da cidade que é normal fazer 40º, olhava aquele prato de sopa e não sentia nada, só calor.
    Mudei para São Carlos, cidade que é normal fazer 12º no verão – agora só penso em sopa. E chilli, ahhh, descobri que amo também.
    Faço um da Nigella que é puro amor, parece muito com esse seu =)

    bjo, bjo
    Cassis.

  2. Já que você está em sp tem que ir ao Aska dessa vez, também esquenta até a alma hehehe
    Se precisar de companhia é só chamar 🙂
    Essa sopa parece muito boa! Pena que aqui em casa só eu gosto de comida mexicana…

    • Marina Maria disse:

      Cris, já me falaram do Aska, tenho que ir lá sim! Agora deu uma esquentada, né, mas quando esfriar de novo a gente podia combinar. Um beijo! (e faz o chilli só pra você, congela em potinhos e vai comendo ao longo do inverno! rsrs).

Comente!