5 coisas que você talvez não saiba sobre chocolate + Cheesecake de chocolate e Guinness

Inspirada pelo Buzzfeed, que tem sempre as melhores listas de todos os tempos, resolvi fazer uma em homenagem ao chocolate, reunindo curiosidades aleatórias que são sempre úteis na mesa de bar:

1. Chocolate branco não é chocolate. E vários outros tipos que você come por aí também não.

Vamos começar por uma aulinha bem básica de como o chocolate é feito: as sementes do cacau são retiradas da fruta, fermentadas, secadas e torradas. Neste processo, a casca da semente se abre e de dentro são retirados os nibs de cacau, que vão ser triturados até virar uma pasta-base chamada licor de chocolate. Essa pasta pode ser separada em manteiga de cacau e sólidos de cacau. Os sólidos dão o sabor característico do chocolate e a manteiga é só um tipo de gordura.

Foto:  Cacao Cucina Pics

Sólidos de cacau de um lado, manteiga de outro. Foto: Cacao Cucina Pics

O chocolate branco é feito com a manteiga, que como não tem gosto de nada sozinha – a não ser que você curta comer banha -, é misturada com açúcar, sólidos e gordura de leite e baunilha. Tecnicamente, chocolate é só aquilo que possui sólidos de cacau (pelo menos 25%, de acordo com legislação brasileira), por isso o chocolate branco não poderia ser chamado de chocolate. O que não quer dizer, claro, que chocolate branco não seja gostoso.

Se o branco teoricamente não é chocolate, ao leite e amargo também podem não ser: como não existe uma lei que obrigue as marcas a informar o percentual de sólidos de cacau no produto e, mesmo para as que dizem, não há fiscalização, é possível que a gente esteja comprando muitas barras por aí com mais aditivos e flavorizantes do que cacau mesmo.

Viu? Agora já dá para pagar de entendido quando alguém comer um bombom do seu lado.

2. O chocolate inspirou a criação do micro-ondas

O inventor do micro-ondas, Percy Spencer, precisa agradecer ao chocolate por ter tido a ideia que revolucionou a cozinha nos anos 80. Spence era um cientista trabalhando em alguns projetos da Segunda Guerra Mundial quando um dia, depois de ficar alguns segundos perto de um equipamento chamado magnetron, o chocolate que estava no seu bolso derreteu. Ele então concluiu que os magnetrons eram capazes de esquentar a comida incrivelmente rápido – e assim nasceu o micro-ondas. Ou seja: típica história de um #coraçãodegordinho que venceu na vida.

percy spencer

3. Chocolate ao leite é uma invenção relativamente recente

Apesar do chocolate amargo ter ganhado muita popularidade nos últimos anos, principalmente por ser o único que a nutricionista deixa comer (beijo, Patrícia!), com certeza o chocolate ao leite ainda faz mais sucesso. Só que a história nem sempre foi assim: o chocolate ao leite só ganhou fama no século XIX, mais precisamente a partir de 1875, quando foi inventado pelo suíço Daniel Peter.

Para tornar o gosto do chocolate menos amargo, muitos já haviam tentado misturar leite aos sólidos de cacau, mas os resultados não eram bons. Isso porque o leite possui muita água e, como você aprendeu na aula de química, água não se mistura bem com gordura – no caso, com a manteiga de cacau. O pulo do gato de Peter foi usar leite condensado, uma invenção recente de seu vizinho e amigo, Henri Nestlè. Sim, aquele Nestlè.

Com esta descoberta,  o chocolate finalmente se popularizou, não só por ter o gosto mais adocicado, mas também por ter barateado os custos de produção, já que era necessário usar menos cacau para a produção de uma barrinha. A invenção de Peter foi comercializada como o primeiro chocolate ao leite do mundo, chamado “Gala Peter”.

gala peter

4. A extração do cacau é uma das atividades que mais explora trabalho infantil e escravo no mundo

Agora a coisa vai ficar um pouco “bad vibe”. Na Costa do Marfim, na África, região onde se produz a maior parte do cacau do mundo, há uma grande incidência de trabalho infantil e escravo nas fazendas. Essa realidade foi denunciada por um documentário em 2011, chamado “O lado negro do chocolate”. Depois deste filme, a pressão popular fez com que empresas como a Ferrero, Nestle e Hershey assinassem um pacto para exterminar a escravidão nas propriedades fornecedoras até 2020.

No Brasil, sexto maior produtor de cacau no mundo, a realidade não é muito diferente. Várias fazendas são constantemente denunciadas por trabalho escravo e um vídeo recente da Oxfam mostrou como é precária a situação das mulheres nestas fazendas. Depois da divulgação do vídeo, as empresas Nestle e Mars se comprometeram a dar atenção a este assunto, mas ainda estamos bem longe de uma solução para o problema.

5. Nos Estados Unidos existe um dia dedicado a comer insetos cobertos com chocolate

Dia 14 de outubro os americanos comemoram o “Dia Nacional de Insetos Cobertos com Chocolate”, uma data voltada para a divulgação da entomofagia, ou a prática de comer insetos. E que maneira melhor de incentivar isso do que cobrindo formigas e gafanhotos com chocolate?

Tá duvidando ainda? Joga no Google!

cickets chocolate covered

Grilos crocantes cobertos com chocolate belga!

***
Cheesecake de chocolate e Guiness

A textura cremosa e o sabor rico desse cheesecake fazem dele aquele tipo de sobremesa especial, que a gente procura para um aniversário ou jantar com amigos. É fácil de fazer, mas demanda tempo; nada que um sábado de bobeira não resolva. Eu digo que a calda é opcional, mas vai por mim: você vai querer a experiência completa.

Serve de 8 a 10 pessoas

chesecake de chocolate e guinness-2

Ingredientes

Para a base

– 300 gramas de biscoito de chocolate
– 3 colheres de sopa de manteiga sem sal derretida

Para o recheio

– 340 gramas de chocolate amargo (de preferência com teor de cacau 70%)
– ½ xícara + 2 colheres (sopa) de creme de leite de caixinha
– 675 gramas de cream cheese em temperatura ambiente
– 1 xícara (chá) de açúcar
– 3 ovos em temperatura ambiente
– 1 colher (chá) de extrato de baunilha
– ¾ de xícara (chá) de cerveja Guinness (180 ml)

Para a calda

– 1 xícara (chá) de cerveja Guiness (240 ml)
– 1 xícaras (chá) de açúcar mascavo

Como fazer

1. Preaqueça o forno a 180 graus.

2. No banho-maria ou no micro-ondas, derreta o chocolate com duas colheres de sopa do creme de leite, mexendo delicadamente até que fique homogêneo. Deixe amornar.

3. Triture o biscoito no liquidificador, processador ou colocando num saquinho plástico e passando o rolo de massas por cima. Misture com a manteiga derretida, fazendo movimentos de “esfarelar”. Use essa “farofinha” para forrar o fundo de um forma de aro removível de 23cm e deixe no freezer enquanto termina o recheio.

3. Na batedeira, em velocidade média, bata o cream cheese até que fique bem cremoso. Junte a mistura de chocolate. Em seguida, adicione o restante do creme de leite, o açúcar, os ovos, a baunilha e a cerveja, batendo até ficar homogêneo.

4. Retire a forma do freezer, entorne o recheio por cima da massa e leve ao forno por 60 minutos, até que tenha formado uma casquinha por cima. Ao mexer a forma, a massa irá tremer levemente, como gelatina. Desligue o forno e deixe o cheesecake lá dentro, com a porta um pouco entreaberta (coloque uma colher na porta para criar uma fresta se o seu forno não tem essa opção), por mais 60 minutos.

5. Leve à geladeira e deixe por pelo menos 6 horas, de preferência de um dia para o outro.

6. Antes de servir, faça a calda: junte a cerveja e o açúcar numa panela funda. Deixe reduzir no fogo baixo por cerca de 20 minutos, mexendo de vez em quando, até que fique com a textura de uma calda rala (ela engrossa um pouco depois que esfria). Transfira para um recipiente e sirva com o cheesecake.

chesecake de chocolate e guinness-3

Você pode gostar...

9 Resultados

  1. mariana s disse:

    Olá! Que tipo de biscoito de chocolate?

  2. Pô, ficou a dúvida: eu uso creme de leite fresco ou um creme de leite com 25% de gordura quebra o galho?

  3. Wair de Paula disse:

    Wow! Que receita fantástica, não me lembro de ter provado Cheese cake com cerveja em sua composição. Já copiei, talvez aproveite o domingo chuvoso para fazer hj mesmo. Forte abraço! E tks pela suma de chocolate…

Comente!