Paixonites offline e o melhor bolo de chocolate (com cobertura)

Outro dia estava observando um menino no ônibus “xavecando” (deu pra sentir minha idade?) uma garota sentada. Os dois deviam ter no máximo 13 anos. Quando ele estava descendo no ponto, disse: “vou te adicionar no ‘face’!”.  Talvez essa seja a frase mais dita hoje para começar ou continuar uma paquera (sentiu o drama de novo?). E antes do Facebook tinha Orkut, e antes do Orkut a frase era “me dá seu msn?”.

Talvez a gente não perceba, mas ter um computador entre duas pessoas que estão começando uma história é a maior dádiva do mundo moderno. É um jeito mais relaxado de se conhecer. Não tem problema se a conversa é curta. Se rola uma pausa ou silêncio, ele não é constrangedor como se acontecesse por telefone ou pessoalmente. Além disso, não importa se a pessoa está com uma espinha gigante na cara ou com dor de barriga. Fora que depois de jogar conversa fora na rede social, fica muito mais fácil encontrar cara a cara, porque já não é um encontro entre dois estranhos.

Aos 11 anos me apaixonei por um garoto na praia. Naquela época, claro, não existia nada disso. Depois que o verão acabou, voltei para casa sem telefone ou endereço da paixonite. Eu até podia conseguir essas informações, pois ele era filho de um amigo do meu pai, mas aí ia fazer o quê? Simplesmente ligar? Era preciso coragem demais para isso. E se a mãe dele atendesse? Podia também mandar uma carta, mas e se o irmão dele pegasse a correspondência primeiro? Se a rede social existisse naquela época, talvez seria mais fácil encontrá-lo online e conversar. Acho até que o contato ia me ajudar a desiludir mais rápido. Em vez disso, nunca mais falei com ele e foi preciso um longo período ouvindo“More than words” diariamente, chorando de coração partido, para a paixão finalmente passar.

Eu queria que meu primeiro beijo tivesse sido com ele. Em vez disso, aconteceu bem depois, com uma garoto que morava perto da minha casa. É isso, naquela época precisava morar perto de casa. Ah, Facebook, aonde estava você em 1994?

***

Hoje é o último dia para participar do sorteio dos livros “Tudo e mais um pouco”, volumes 1 e 2, do Mark Bitmann! Corre lá!

***
O melhor bolo de chocolate (com cobertura)
Já falei sobre meu bolo de chocolate favorito aqui. Essa receita é bem parecida com aquela, mas resulta num bolo mais úmido (e por isso um pouco mais difícil de desenformar e rechear). Além disso ele tem uma cobertura enlouquecedora de boa. Eu quase comi ela pura da tigela.

No dia seguinte o bolo já estava pela metade…

Ingredientes

Cobertura (se além de cobrir você quiser rechear o bolo, dobre as quantidades)
– ½ xícara de chá de creme de leite
– ¼ de xícara de chá (50 gramas) de manteiga sem sal
– 2 colheres de sopa de açúcar
– pitada de sal
– 225 gramas de chocolate meio amargo picado
Opcional
– 1 colher de sopa café pronto, sem açúcar, quente
– ½ colher de chá de extrato de baunilha

Massa do bolo
– 2 xícaras de açúcar
– 2 xícaras de farinha de trigo
– ¾ de colher de chá de bicarbonato
– ½ colher de chá de sal
– 100 gramas de chocolate amargo picado (acima de 60% de cacau)
– 1 xícara de café pronto, sem açúcar e quente
– 2 ovos grandes
– ½ xícara de óleo
– ½ xícara de iogurte
– 1 ½ colher de chá de extrato de baunilha

Como fazer

1. Comece preparando a cobertura. Aqueça numa panelinha o creme de leite, o açúcar, a manteiga e o sal no fogo baixo, até que vire uma creme homogênio. Retire do fogo e junte o chocolate meio-amargo picado, mexendo delicadamente, até que ele derreta e a mistura fique lisa. Se estiver usando, adicione também o café e a baunilha. Deixe que a mistura esfrie por cerca de duas horas, até que atinja uma boa conscistência para ser espalhada.

2. Enquanto isso, prepare o bolo. Pré-aqueça o forno a 160 graus. Unte e enfarinhe uma forma redonda de 25 cm (ou duas de 23 cm, caso queira fazer o bolo em duas camadas com recheio – lembre-se que nesse caso é preciso dobrar a quantidade de cobertura). Cubra o fundo com papel manteiga, untando e enfarinhando o papel também.

3. Numa tigela pequena, junte o café pronto bem quente e o chocolate picado. Mexa delicadamente com uma espátula até que o chocolate esteja todo derretido.

4. Em outro recipiente, peneire o açúcar, a farinha, bicarbonato e o sal.

5. Numa tigela média, bata com um batador de arames os ovos, o óleo, a baunilha e o iogurte, até que fiquem totalmente misturados. Junte a mistura de chocolate e café.

6. Vá colocando a farinha em três adições, mexendo delicadamente até que esteja totalmente incorporada. É importante não bater o bolo nessa etapa, apenas misturar com leveza, para não desenvolver o glúten da farinha.

7. Leve o bolo ao forno por cerca de 40 minutos ou até que um palito inserido no meio do bolo saia limpo. Deixe que o bolo amorne e passe uma faquinha nas laterais para ajudar a soltar. Quando estiver frio, desenforme e use uma espátula para cobrir com a cobertura. Se conseguir esperar, deixe o bolo coberto por cerca de 2 horas ou de um dia para o outro antes de servir. O sabor fica melhor com o tempo. Mas confesso que eu não consegui!

Dica
O café é utilizado para realçar o sabor do chocolate. Eu não consigo sentir o sabor dele na massa. Se você não quiser usar café de jeito nenhum, substitua por água quente.

Você pode gostar...

8 Resultados

  1. Simone disse:

    Conheci seu blog tem pouco tempo e resolvi testar a receita do bolo de chocolate. Ficou delicioso, parabéns pela delícia de palavras que tornam as receitas ainda mais gostosas. Querida postar a foto do meu bolo aqui, mas acho que não tem como…hehe. bjo

  2. Luis Americo disse:

    Ah não, more than words nãããão! rsrs

  3. Fê Maria disse:

    eu queroooooo! me deu água na boca! hum! e tbm já curti umas “fossas” ouvindo more than words! hahaha!

  1. 26 de junho de 2014

    […] de saudável, mas se tem um que chega perto, é esse. Ele não é um bolo tão decadente como esse, então não posso chamá-lo de melhor bolo de mundo, mas é uma opção muito gostosa para aqueles […]

  2. 2 de março de 2015

    […] cobertura desse bolo tão boa que, se você resolver experimentar um pouco antes de cobrir, corre o risco de não sobrar […]

Comente!