Hambúrguer e fritas – essa talvez seria minha última refeição

O que eu escolheria para comer se soubesse que seria minha última vez?

Se pudesse optar por qualquer coisa no mundo, seria a carne moída com purê de batatas da minha mãe. Se não tivesse essa alternativa, iria de cheeseburguer e fritas (o que não deixa de ser uma variação de carne moída e batatas), o pedido mais popular entre os presos americanos no corredor da morte.

A última refeição oferecida aos condenados é uma prática herdada da antiguidade, que talvez fosse um gesto de misericórdia ao prisioneiro, ou alguma superstição relacionada ao medo de uma assombração futura. A tradição persiste em países que possuem pena de morte, como nos Estados Unidos, em que 36 estados adotam esse sistema. Em nenhum deles o prisioneiro pode escolher livremente sua última refeição – há um limite baseado no valor e no que pode ser feito ou comprado localmente.

O fotógrafo londrino James Reynolds reproduziu os pedidos finais de prisioneiros condenados à morte

Em setembro deste ano o Texas aboliu essa tradição, mas o estado possui registro de todas as últimas refeições concedidas entre 1982 e 2003. As mais comuns são alguma variação cheeseburguer e fritas. Em segundo lugar aparece bife, depois frango frito e sorvete.

Uma nação viciada em fast-food? Talvez. Mas é bom lembrar que o quê entendemos hoje como fast-food nada mais é do que uma forma de produzir industrialmente comidas americanas tradicionais, que até então eram (e em muitos lares ainda são) preparadas em casa. Ou seja, no fim das contas, os prisioneiros optam pela comfort food, por algo que lembre a infância ou a família.

Nem os maiores chefs do mundo escolheriam algo elaborado como última comida. No trabalho My Last Supper, a fotógrafa Melanie Dunea explorou quais seriam as últimos refeições de 50 chefs famosos. Caviar e foie gras foram citados, mas não pela maioria. Tom Colicchio, por exemplo, disse que gostaria do molho gravy feito por sua mãe. Já Bill Telepan queria sorvete de baunilha.

Enquanto eu escrevia esse texto e devaneava sobre qual seria meu último banquete,  a resposta do grande chef inglês Marcos Pierre me fez questionar a real pertinência de uma comilança final. “Não consigo me imaginar fantasiando sobre minha última refeição. Comida seria irrelevante nesse momento da vida”.
.
.
.
(Lembrando que sua chance de ganhar um IPOD e kit de azeites Cocinero ainda está rolando… vai lá!)

***

Hambúrguer com cebola dourada e bacon + batatas (que parecem fritas, mas são assadas)
Eu sou da opinião que receita de hambúrguer é igual de feijão, é bem particular e por isso cada um tem a sua. Dos testes que já fiz, essa versão foi a que mais gostei. As cebolas e o bacon são uma dica de preparo. Agora, a batata… esse é o melhor jeito de fazer batatas. Ficam crocrantes por fora e macias por dentro. E a gente come com menos culpa, né, porque não são fritas!

Para o hambúrguer:
Receita do Jamie Oliver, levemente adaptada
Rendimento: 6 hambúrgueres

Ingredientes

500 gramas de patinho ou fraldinha moída apenas uma vez
½ cebola roxa bem picadinha
1 ovo pequeno
1 colher de chá de parmesão ralado
½ xícara de farelo de pão (rale um pão amanhecido ou use farinha de rosca)
½ colher de chá de mostarda dijon
½ colher de chá de sal
¼ de colher de chá de cominho
¼ de colher de chá de pimenta do reino moída na hora
Fatias de queijo prato ou mussarela

Como faz

1. Aqueça um pouco de azeite num frigideira pequena e refogue a cebola até que esteja macia, sem dourar.

2. Numa tigela, junte a cebola aos outros ingredientes e misture bem. Eu gosto de fazer uma teste para saber como está o tempero: formo um “mini-hambúrger”, do tamanho de uma tampa de refrigerante, e o preparo numa frigideira como no passo 4. Depois de pronto, eu consigo provar o tempero e, se for o caso, adicionar o que está faltando à massa de carne.

3. Faça seis bolas e depois achate-as, dando a forma de um hambúrguer. Coloque-os numa tábua ou travessa forrada com papel manteiga e leve à geladeira por cerca de uma hora.

4. Prepare os hambúrgueres em um grill ou numa frigideira untada com azeite. Quando estiverem dourados dos dois lados, coloque as fatias de queijo por cima e abafe (com a tampa da panela ou do grill) para que ele derreta. Sirva.

Para as batatas:
Rendimento: duas porções grandes

Ingredientes
– 6 batatas médias (procure comprar todas do mesmo tamanho, para que cozinhem uniformemente)
– ½ colher de sopa de farinha de trigo
– 2 colheres de sopa de azeite

Como fazer
1. Ligue o forno em 250 graus. Coloque água para ferver em uma panela grande.

2. Lave as batatas e parta cada uma em duas metades, e cada metade em três partes, sempre na longituginal, formando palitos grossos. Quando a água ferver, coloque os palitos de batata e conte 7 minutos.

3. Logo que colocar as batatas para ferver, entorne o azeite em uma assadeira e leve-a para o forno.

4. Quando terminarem os 7 minutos, escorra as batatas e deixe o vapor sair um pouco. Salpique a farinha por cima das batatas e coloque um prato em cima do escorredor. Segure firme o prato e o escorredor e sacuda as batatas, para “machucá-las” um pouco.

5. Com muito cuidado, retire a assadeira com azeite do forno e entorne as batatas nela, mexendo um pouco para que elas fiquem envoltas no azeite. Depois arrume-as de forma que um dos lados de cada pedaço esteja em contato com a assadeira.

6. Leve ao forno por cerca de 30 minutos, até que um dos lados esteja dourado. Vire-as e deixe que dourem do outro lado por cerca de 20 minutos.

7. Retire as batatas, deixe-as escorrerem um pouco num prato com papel-toalha, coloque sal e sirva quente.

Para as cebolas:
– Pique uma cebola roxa em tiras de mesmo tamanho e espessura. Isso é importante para que todos os pedaços cozinhem por igual. Se tivermos pedaços muito diferentes entre si, alguns “queimarão” e outros não chegarão ao ponto ideal. Misture as cebolas à uma colher de azeite. Leve ao fogo bem beixo baixo, em uma frigideira pequena, mexendo sempre. Pingue um pouco de água de tempos em tempos, se necessário, para evitar que a cebola queime. Quando estiver dourada, desligue o fogo e reserve.

Para o bacon:
– O bacon PERFEITO é feito no forno. Fica crocante e não faz sujeira. Ligue o forno a 250 graus por 15 minutos. Forre uma assadeira com papel-manteiga e disponha as tiras de bacon. Leve ao forno até que estejam crocrantes. Tranfira-as para um prato forrado com papel toalha, deixe secar e use no hambúrguer.

Você pode gostar...

9 Resultados

  1. Matheus Lopes disse:

    Vou tirar foto do que eu vou fazer hj!

  2. Tatá disse:

    Oh, man…no comments.

  3. Anderson disse:

    Essa versão do hamburguer eu ainda não provei, mas já deu água na boca.
    As batatas são realmente fantásticas!

  4. Leandro disse:

    Tenho muitos pratos que pediria no meu último dia…

    Arroz a piemontesa com salmão (da minha mãe).
    Bife à milanesa (da vó paterna)
    Casquinhas fritas (da vó paterna)
    Bacalhau de fim de ano (da vó materna)
    Hamburguer tosko e caseiro (do primo)

    iria pro céu ou pro inferno bem feliz.

  5. Annita disse:

    Nina, que delícia!! Adorei a receita inteira! Um dia desses eu crio coragem e faço! Rsrs. Bjos!

  6. Mario C. disse:

    Estou babando de tanta água na boca.

  1. 26 de junho de 2014

    […] tinha dado essa dica aqui, mas depois descobri um jeito que não precisa virar o bacon pra dourar do outro […]

Comente!