(…) Desafio “Vivendo Abaixo da Linha” – Dia 1

Dá para se alimentar diariamente com apenas R$3? Essa é a proposta da campanha “Live below the line” ou “Viva abaixo da linha”. Criada pela ONG The Global Poverty Project, ela propõe um desafio: passar 5 dias se alimentando com o orçamento de R$ 3 por dia.

Esse valor, que na verdade é a conversão de U$1,50, é o que 1,4 bilhões de pessoas no mundo tem para sobreviver. Ou seja, é o orçamento usado não só para alimentação, mas também para saúde, trasporte, lazer, educação… O desafio foca apenas na comida porque é algo mais fácil de experenciar. E se já é difícil cumprir esse limite com alimentos, imagine se fosse necessário incluir todo o resto.

Eu decidi topar o desafio e relatá-lo aqui no blog para propor um pensamento sobre nossa relação com a comida. Quem gosta muito de comer e/ou cozinhar como eu – e imagino que como vocês também – acaba tendo uma relação com a comida cujo alicerce é o prazer, e não a sobrevivência. No meu caso, eu também penso sempre em termos de saúde ou de calorias em um prato, mas nunca no quanto ele pode me sustentar durante o dia. Essa mudança de perspectiva pode ser muito rica no sentido de identificar os luxos que temos na cozinha e que acabam passando desapercebidos.

Metodologia

Junto comigo existe um grupo  brasileiro fazendo o desafio nessa mesma semana. Você pode acompanhar a experiências deles por aqui. A maioria fez compras no último domingo considerando o orçamento total de R$15. A forma mais inteligente de fazer o desafio é mesmo essa, pois juntando-se a várias pessoas é possível comprar e dividir alimentos que só são vendidos em grande quantidade, como arroz e feijão.

Como eu não consegui me juntar a um grupo, resolvi fazer um pouco diferente, inspirada em relatos de alguns blogueiros gringos que também fizeram o desafio. Decidi usar o que já tinha em casa, levando em consideração o valor desse alimento. Sendo assim, como tinha acabado de abastecer a despensa, peguei o preço total dos produtos e calculei de acordo com um porção individual padrão. Algumas coisas precisei comprar, como óleo de soja, macarrão comum e molho pronto de tomate. Como é difícil calcular o preço dos temperos, usei uma média de R$ 0,05 para o conjunto sal, pimenta e mais algum outro tempero em pó. Alho não está incluso.

A tabela ficou assim:

Tabela_1

Com os preços calculados, montei meu cardápio do dia considerando que o total não poderia passar de R$ 3. Nessa semana vocês vão acompanhar por aqui e na página do Sal de Bolinha no Facebook como estou me saindo nessa empreitada.

***
Dia 1 – Um pouco de fome e muita matemática

Almoco_dia_1

Depois de fazer muitas contas para montar a tabela acima, fiz os cálculos do que daria para comer no dia. Originalmente, iria comer feijão no jantar, mas ele não ficou pronto a tempo. Então fiz uma substituição.

A primeira coisa que percebi enquanto fazia a matemática é que esse valor torna quase impossível fazer escolhas mais saudáveis, como optar pelo pão e macarrão integral ou usar azeite nas preparações. Usar óleo de canola ou girassol também não dá, já que são muito mais caros que o de soja.

A segunda impressão foi relacionada às proteínas, que com certeza são o item que mais pesa no orçamento. Não comprei nenhum tipo de carne porque achei tudo muito caro no supermercado onde fui. Se encontrar alguma promoção no açougue, talvez consiga incluir no cardápio. O mesmo aconteceu com as frutas, que estavam bem caras.

Terminei o dia com um pouco de fome e dor de cabeça, pensando que essa sensação provavelmente vai aumentar nos próximos dias…

O menu foi:

– Café da manhã – Água
– Almoço: Arroz com cenoura, vagem, alho e cebola temperado com sal, pimenta-do-reino e açafrão.
– Lanche: 5 biscoitos Maizena
– Jantar: 1 pão de sal com uma fatia de queijo

Contagem:

Tabela_2

 

Você pode gostar...

12 Resultados

  1. Flor, só um comentário: o grupo do blod abaixodalinha não é só de BH, tem gente de todo o Brasil porque o evento era aberto no facebook (: parabéns pela iniciativa, beijos

  2. Ana Paula Doné disse:

    Não sei se vale no seu desafio, mas com R$ 3, dá para almoçar e jantar nos restaurantes populares da prefeitura. Por R$ 3,50, também dá para incluir o café da manhã! bjs e boa sorte no desafio.

    • marina maria disse:

      É uma ótima dica, Ana! Vou passar pro resto do grupo sim. O único problema é que é um pouco longe, então alguns teriam que gastar com transporte – que não está incluso no desafio, mas que estamos considerando também para tentar deixar mais real. De qualquer forma, eu consigo ir a pé e vou tentar ir lá na quinta. Obrigada pelo apoio! Um beijo!

  3. Léo disse:

    E esse tempo todo achei q a mulherada fazia era regime…

  4. Juliana Senna disse:

    Só água no café? Tem que comer algo :~
    Eu faço reeducação alimentar e tento não exagerar nas compras também. A vida está tão cara, a gente precisa aproveitar ao máximo o que tem em casa, né?

  5. Ana disse:

    Amada tomara que a semana passe rápido! A causa é nobre mas a saúde…

  6. abaixodalinha disse:

    Uma verdadeira aula de racionalização e minimalismo. Parabéns, Marina!

  7. Flávia Dorado disse:

    Raça Nina! Vai valer muito a pena…

  8. Natália Boaventura disse:

    Minha dor de cabeça mandou um beijo pra sua! E fome é mato. Vamos seguindo 🙂

  1. 1 de maio de 2013

    […] ← (…) Desafio “Vivendo Abaixo da Linha” – Dia 1 01/05/2013 · 0:16 ↓ Jump to Comments […]

  2. 1 de maio de 2013

    […] “Abaixo da Linha” – dia 1 / Desafio “Abaixo da Linha” – dia […]

Comente!