A novela que tentei assistir + Cação com purê de moranga e leite de coco

Meu nome é Marina e eu admito que tenho um problema com novelas. As que assisti do começo ao fim consigo contar nos dedos: Top Model, Vamp, Tieta, Quatro por Quatro, Mulheres de Areia, O Rei do Gado, O Cravo e a Rosa. É que acho dificílimo compactuar com a lógica delas. Fico o tempo todo percebendo a falta de sentido das cenas, a artificialidade das relações, as falhas em tentar reproduzir uma determinada realidade.

Não lembro quando e por que comecei a assistir essa novela Fina Estampa. Peguei já no meio do caminho, quando a Griselda, personagem da Lilia Cabral, já tinha ficado rica. A situação de cara já era meio bizarra. Como assim a pessoa ganha na Megasena e sai contando para todo mundo que encontra no caminho? E como assim ela passa um tempão vivendo a vida normalmente, sem se preocupar em momento nenhum com sua segurança?

Eu não entendo como o autor da novela começou a desenhar a Griselda para que ela fosse a encarnação da mulher batalhadora, decidida, mão-forte da família, para depois colocá-la em situações onde ela age de forma totalmente incoerente com o próprio personagem. Sua arqui-inimiga, Tereza Cristina, faz de tudo para arruinar sua vida, desde armar incêndios na casa até provocar acidentes de carro. Na vida real, se alguém sentisse que sua vida e da sua família está ameaçada, iria imediatamente se mudar de casa, de cidade. Ou pelo menos contrataria um bando seguranças. Mas o que a Griselda faz? Nada. Só expressa sua raiva, gesticula brava, mas não age. E quando pensa em vingança, diz que quer encontrar um jeito “ético” de ser vingar. Estão acompanhando a falta de noção? Vingança ética! Onde já se viu….

Aí vocês, especialistas em novela que estão lendo isso aqui, estão me retrucando mentalmente: “mas novela é assim mesmo, Marina…” Eu sei que é. É por isso que não dou conta de assistir. Começo a levar tudo muito a sério e ficar irritada com tudo que acontece. Minha gota d’água foi quando a Griselda prendeu a Tereza Cristina com uma corda, com jeito de comédia pastelão, achando que a situação “humilhante” seria suficiente para que ela a deixasse em paz. Sua inimiga tenta matar sua filha e você dá uma lição de moral com nó de marinheiro? Sério? Aí é brincar demais com a inteligência de quem assiste, né não?

***

Cação gratinado com purê de moranga e leite de coco
O tempero do peixe feito com limão contrasta com a doçura do purê  e dá um ótimo equilíbrio ao prato. Você pode substituir o cação por outro peixe de carne branca e tenra. Eu servi com uma farofa de maracujá: douro meia cebola na manteiga, coloco uma xícara farinha de milho, dou uma torradinha e depois acresento uma polpa fresca de maracujá. Depois é só temperar e servir!

Ingredientes

– 250 gramas de cação em postas (cerca de 4 postas médias)
– 1 limão
– 300 gramas de abóbora-moranga
– 3 ou 4 galhinhos de alecrim
– 5 colheres de sopa requeijão
– 1/2 xícara de leite de coco
– 1/4 de xícara de leite
– 1/2 xícara de parmesão ralado na hora
– Sal, pimenta e azeite à gosto

Como fazer

1. Pré-aqueça o forno a 220 graus. Tire as sementes da abóbora e mantenha a casca. Parta em pedaços e distribua numa assadeira com a polpa virada para cima. Tempere com um pouco de sal e pimenta, um fio bem generoso de azeite e os galhinhos de alecrim. Cubra com papel alumínio e leve ao forno.

2. Enquanto isso, tempere as postas do peixe com sal, pimenta e limão. Deixe-os marinando por cerca de 15 minutos.

3. O próximo passo é selar o peixe. Numa frigideira antiaderente, aqueça um fio de azeite. Quando estiver bem quente, sele cada posta do cação, ou seja, deixe cada lado por 2 ou 3 minutos, apenas até que a carne perca sua aparência transparente e comece a dourar levemente.

4. Quando a abóbora estiver macia, retire do forno (mas deixe-o ligado). Se você tiver um empremedor de batatas, passe os pedaços de abóbora por ele. Se não, descasque-as com cuidado para não se queimar e amasse com um garfo. Adicione o leite de coco, o leite comum e o requeijão. Misture até que fique com a conscistência de um purê um pouco líquido e prove para acertar o tempero: se precisar, adicione mais sal e pimenta, mas vá com calma, pois o sabor do purê é mesmo mais adocicado e o peixe já foi temperado.

5. Distribua as postas do peixe no fundo de uma assadeira. Cubra com o purê e o parmesão ralado. Leve ao forno por cerca de 25 minutos, até que o purê esteja borbulhando e tenha se formado uma crosta por cima. Sirva morno.

Você pode gostar...

5 Resultados

  1. Flávia Dorado disse:

    Nossa amiga, essa tá demais!
    rsrs…

  2. Nara disse:

    Tô contigo! Tb acho essa novela péssima…
    e das novelas que vc viu, só não acompanhei Tieta e O Rei do Gato… adorava O Cravo e a Rosa!!!

    =)

  3. Lu disse:

    Peixe e moranga são o meu ponto fraco… Adorei!

Comente!