Salmão assado com limão siciliano e uma história de pescador

A sua infância teve saci, homem-do-saco, loira do banheiro? Pois a minha teve um ser mitológico chamado “mandi”. O peixe, o mais popular nos anzóis do meu pai, foi o primeiro que eu aprendi a reconhecer. Viajando com minha família para pescarias desde os 6 meses de idade, cresci ouvindo histórias de um tal de “mandi com saia”, “mandi com bolinhas”, “mandi sorrindo” e sempre que alguém do barco gritava “peguei um mandi!” eu ia correndo ver se era algum desses.

E mesmo depois de ver vários peixes cinzas-brilhantes-de-imensos-bigodes, parecidos com todos os outros que já haviam sido pescados, continuava acreditando que um dia iria aparecer um com saia. Veja, eu não imagina uma saia de pano não, mas tipo uma variação genética do mandi , um que tivesse uma barbatana rígida em volta da “cintura”, como um tutu de bailarina.

Daí a gente cresce, desconfia da existência do Papel Noel e também do mandi com bolinhas. Meu pai e seus amigos continuavam olhando sério nos meus olhos e afirmando categoricamente que eles existiam. No fundo eu tinha medo de desacreditar e ser pega de surpresa.

Até que um dia eu, por volta dos 9 anos, munida de minha vara lilás, pesquei um mandi. Quando fui girando o molinete e trazendo-o para a superfície do rio, vi seus grandes bigodes característicos. E o coração disparou: será que dessa vez é o de saia?

Que nada. Era um normal. Decepcionada, joguei-o no barco de qualquer jeito. E de repente sinto uma dor tremenda no dedão do pé. Não é que o bicho tinha um ferrão maligno? Não chegou a entrar – só encostou – mas doeu tanto que já foi o suficiente para me desiludir com aquele peixe, até então um personagem tão divertido da minha infância…

***
Salmão assado com limão siciliano
Para não dizer que meu fogão só faz doces e biscoitinhos, taí uma dica de preparo para um salmão, bem leve e saboroso. Usei o peixe fresco – acredito que o congelado acaba perdendo muito o sabor. Servi com um arrozinho branco, salada verde e purê de batatas.

Rende duas porções

Ingredientes
Uma posta de salmão com cerca de 450 gramas
1 limão siciliano
1 colher de sopa de manteiga
1 galho de alecrim
sal e pimenta do reino branca à gosto

Comofas

1. Coloque o salmão em uma folha de papel alúmínio com a pele virada para baixo. Tempere-o com o sal e a pimenta (eu usei cerca de uma colher de chá de sal e ¼ de colher de chá de pimenta, mas faça ao seu gosto).

2. Corte o galho de alecrim em três ou quatro. Faça cortes bem pequenos e superficiais no peixe, apenas o suficiente para encaixar os pedaços do alecrim.

3. Parta o limão siciliano ao meio. Esprema o suco de uma das metades sobre o peixe. Corte o outro pedaço em fatias e arrume-as em cima do salmão.

4. Espalhe a manteiga em pedacinhos e feche a folha de papel alumínio vedando bem os lados, para que não perca calor. Asse por cerca de 20 minutos, tomando cuidado para que ele não fique tempo demais no forno, ou irá ressecar.

Você pode gostar...

5 Resultados

  1. Sharon disse:

    Minha infância teve tudo isso sim…e mais alguns…o homem da faca,o velho do saco,enfim…muitos outros,mas o peixe mandi,esse eu não conheci…mas o salmão,esse sim,o qual só aprendi a gostar ha alguns poucos atrás…e esse seu está com uma ” cara” deliciosa,comeria um pedaço sem dúvidas…
    Ah…tenho tido problemas em comentar seu blog,mas acho que já resolvi o problema,porém sempre acompanho seus posts,recebo atualizações por e- mail e adoro tudo que recebo…
    Beijinhos e um ótimo fim de semana pra você e sua família…

    http://viramexeefaz.blogspot.com

    Sharon

    • marina maria disse:

      Oi Sharon, que delícia de comentário! Fico feliz que você goste do blog. Já passei no seu e assinei – assim vamos trocando figurinhas. Um beijo e ótimo fim de semana para você também! (Ah, e se tiver problemas de novo para comentar no blog, me mande um e-mail, para eu conferir se é algum problema no WordPress)

  1. 1 de março de 2012

    […] já contei aqui, meu pai era pescador de paixão e por isso as viagens de pescaria eram frequentes. Com elas […]

  2. 23 de agosto de 2013

    […] Quando a manhã seguinte finalmente chegou, levantei com o dia ainda meio escuro e encontrei minha mãe na cozinha. Ela veio me contar que as vacas não iam dar leite naquele dia. “Elas estão sem filhotes, então não tem leite nelas ainda”, me explicou. Eu não sei se entendi totalmente, só lembro que fiquei em pé na cozinha segurando minha caneca, pensando se aquela história de leite da vaca não era mais uma das coisas que tinham inventado para mim, como a história do mandi de saia… […]

  3. 23 de janeiro de 2014

    […] se podia confiar nas definições do meu pai, que durante muito tempo me fez acreditar que existiam peixes com saia e pessoas que comiam os frangos que haviam sido atropelados na […]