O primeiro mar (e uma farofa de coco na manteiga de garrafa)

“Vamos para a praia!”. Quando lhe disseram isso, não sabia o que fazer com essa informação. Não tinha certeza se entendia totalmente o conceito de “praia”- pensava que era um tipo de banco gigante de areia, com muita água e muito sol, mas não entendia exatamente o que se fazia por lá. De qualquer forma, ficou animado pela possibilidade de usar seus baldinhos e pás em outro tipo de areia, torcendo para que ela não cheirasse a xixi como aquela da construção onde ele sempre brincava.

Depois de encher o carro de muitas malas e sacolas, a família partiu. Antes, a mãe avisou: “vamos demorar umas 8 horas para chegar lá”. De inicío ele não soube dizer se isso era muito ou pouco, mas pela cara da irmã, que soltou um longo suspiro, desconfiou que esse tempo era maior do que ele normalmente esperava pelas coisas. Gostou, no entanto, de chupar vários picolés no caminho: cada vez que paravam no posto de gasolina, os pais o deixavam escolher um sabor diferente.

Quando enfim chegaram e se acomodaram na casa, a mãe espalhou quilos de um creme branco em seu corpo e amarrou sua sunga azul com listras amarelas. Era hora de ir pra praia. Já no calçadão, pensou que a parte da areia era mesmo do jeito de que imaginava. Mas a água era bem diferente: uma faixa longa e azul, que brilhava, ia e vinha, fazendo um movimento que o pai explicou: “é a onda”.

Sem medo da água gelada, ele correu em direção ao mar. Assim que a água alcançou a canela, a mãe gritou: “fique aí!”. Ele parou e deu um mergulho. Quando voltou à superfície, os olhos estavam arregalados e o coração acelerado um pouco, como quem descobriu algo sensacional. E, gritando lá de longe, disse:

– Pai, a água é salgada!!!

***
Farofa de coco na manteiga de garrafa
Quem me ensinou a fazer essa farofa foi minha amiga Letícia, que já ganhou fama por esse prato. Até pessoas que não curtem coco gostam muito da receita, pois o sabor é bem suave. Fiz algumas substituições para usar o que tinha em casa, mas no final dou as dicas que ela me passou.

Ingredientes

– ½ cebola grande picada
– 3 colheres de sopa de manteiga de garrafa (ou de manteiga comum)
– 1 colher de sopa de azeite
– 1 xícara de chá de coco fresco ralado
– 1 xícara de farinha de milho
– ½ colher de chá de curry
– ¼ de colher de chá de raspas de limão
– 1 colher de sopa de castanha de caju picadinha
– Algumas gotinhas de molho de pimenta (usei Tabasco)

Como faz

1. Numa panela média, em fogo médio, esquente uma colher de manteiga e uma de azeite. Acrescente o coco, mexendo bem, até que ele fique dourado. Reserve o coco e volte com a panela para o fogo.

2. Acrescente as outras duas colheres de manteiga e refoque bem a cebola, até que fique totalmente transparente.

3. Coloque a farinha, mexendo bem, para torrá-la. Depois adicione o coco, o curry, as raspas de limão e a pimenta. Misture até que esteja tudo homogênio e prove para corrigir algum tempero. Eu não gosto de acrescentar sal, mas fica a seu gosto. Sirva.

Dicas da Letícia
– O coco fresco pode ser substituído pelo coco de pacotinho, mas compre o do tipo úmido.
– Se você tiver aquele tempero de ervas e limão, use-o no lugar das raspas.

Você pode gostar...

Comente!