Bolo de cenoura e outros lanches de coleguinhas

Minha infância foi cercada de comidas deliciosas e posso dizer que algumas delas não saíram da minha casa. Eram merendas alheias ou  lanches feitos pelas mães dos colegas nos encontros para fazer trabalho em grupo (que na maioria das vezes envolviam decorar cartazes na cartolina rosa e montar maquetes no isopor).

Quando tinha uns 4 anos, lembro-me de encher os olhos e a boca ao ver o lanche da Laurinha, minha fiel companheira da pré-escola. Em vez de ser preparado por sua mãe, era trazido por uma merendeira contratada e tinha sempre coxinha quentinha, bolo de chocolate com cobertura de brigadeiro, maria-mole… Uma outra amiguinha dessa época, Verônica, eu acho, levava um tipo diferente de bolo todos os dias. De laranja, limão, fubá. E ela sempre me dava um pedaço, menos quando era bolo de coco gelado – esse ela comia sozinha sem nem olhar para o lado.

Na casa da Maíra, aos 5, me impressionei ao ver pipoca colorida na mesa. Rosa, azul, verde, roxa. Na minha cabeça não havia explicação lógica para aquela coisa pular colorida da panela. Parecia mágica. Mais tarde eu entendi que era corante – e confesso que perdeu um pouco a graça.

Nenhum lanche superava os feitos pela Marinês, mãe da Camila, amiga que conheci na primeira série e que foi da minha sala até a oitava. Foram muitos anos de trabalho em grupo e comilanças.  Além dos tradicionais pão de queijo e cachorro-quente, ela fazia uma torta fria de de pão de forma, maionese e frango em várias camadas. Parecia esquisita, mas era uma delícia. E o bolo de cenoura com a cobertura de chocolate que formava uma casquinha. Esse era campeão.

A merenda que minha mãe fazia para mim e os lanches que cozinhava para meus amigos também eram uma delícia, só que uma coisa é certa: comida filada é bem mais gostosa.

***

Bolo de cenoura com cobertura de casquinha de chocolate

Com sabor de infância, esse bolo fica bem fofo e tem aquela cobertura clássica que vira uma casquinha depois de fria. Para comer assistindo “Curtindo a Vida Adoidado”.

A receita do bolo é da Lena Gasparetto. A calda foi por minha conta.

UPDATE 28/02/2014 – Algumas pessoas vieram me falar que fizeram o bolo e ele ficou embatumado. O segredo da textura está na quantidade de cenouras. Usando de 200 a 250 gramas, ele fica bem fofinho. Com 300, ele vai ficar mais molhadinho. Passando de 300, ele pode embatumar. Então é melhor não confiar na descrição “cenoura média”, já que isso é muito subjetivo. Use uma balança e pese as cenouras sem casca. Se você não tem balança, use a do sacolão mesmo. Se você comprar umas 350 gramas, descascadas elas vão dar mais ou menos 300.

Ingredientes

Bolo

– 3 cenouras grandes picadas (cerca de 300 gramas) – 300 gramas de cenoura descascada e picada em pedaços grandes
– 1/2 xícara de chá de óleo
– 4 ovos
– 2 xícaras de chá de açúcar
– 1 colher de chá de baunilha
– 2 e 1/2 xícaras (chá) de farinha de trigo
– 1 colher de sopa de fermento em pó
– 1/2 colher de chá de sal

Cobertura de casquinha:

– 6 colheres de sopa de chocolate em pó
– 4 colheres de sopa de açúcar
– 2 colheres de sopa de manteiga
– 2 colheres de sopa de leite

Como faz

1. Pré-aqueça o forno em 180°. Unte e enfarinhe uma forma retangular.

2. No liquidificador ou processador, bata a cenoura, os ovos, o óleo, o açúcar e a baunilha por cerca de 4 minutos. É importante deixar batendo bastante!

3. Despeje a massa numa tigela e  acrescente aos poucos a farinha peneirada com o fermento e o sal, misturando bem com um batedor de arames.

4. Despeje na forma preparada e asse por cerca de 40 minutos, ou até enfiar um palito no centro e ele sair limpo.

5. Para a cobertura, leve todos os ingredientes ao fogo em uma panelinha até que se misturem e formem uma calda espessa.

6. Espere o bolo esfriar e desenforme. Espalhe a cobertura, deixe ela secar um pouco e corte em quadrados.

Você pode gostar...

7 Resultados

  1. Paula Faria disse:

    Oi Marina,

    Adorei a receita, muito boa mesmo! O bolo ficou fofinho e gostoso, assim como o seu post.

    Beijos

  2. Marina, achei esse seu texto uma fofurice e me encantei também com a sua memória. Eu precisaria fazer uma sessão de hipnose pra conseguir lembrar lanchinhos da minha infância. 😉 um beijo!

    • marina maria disse:

      Ah Fer, obrigada! Eu tenho muitas memórias “gastronônimas” da infância. Aliás, tenho mais facilidade de me lembrar de qualquer evento se ele envolver comida! hehehehe. Uma beijoca!

  3. Mario C. disse:

    Sugestão aos demais leitores: calda de chocolate NUNCA é demais. Sem mais.

  1. 19 de julho de 2013

    […] 7. Bolo de cenoura […]

  2. 16 de outubro de 2014

    […] onde, tantos anos antes. E é quase a mesma. E mais: a cobertura é exatamente igual à que uso no bolo de cenoura. Fiquei pensando no que isso […]

Comente!